4 motivos para pensar em SEO antes de criar seu site

Há poucos dias li um artigo destacando a importância de seguir trabalhando em um site depois de publicado, pois, segundo indicavam, esse é o momento de começar a pensar no SEO e ter bons resultados nos mecanismos de pesquisa. Eu não concordei! Na minha opinião, deve-se pensar em SEO antes de criar seu site.

Nos últimos tempos vem se falando muito de uma nova interpretação do SEO que foge da tradicional definição de otimização para mecanismos de pesquisa (Search Engine Optimization) e se apresenta renovada como otimização da experiência do usuário (Search Experience Optimization). Eu me identifico totalmente com essa nova corrente de pensamento.

Nosso trabalho deve sempre acompanhar a estratégia de marketing da empresa: público-alvo, regiões, idiomas, produtos/serviços oferecidos, imagem de marca, estratégia no médio-longo prazo…

Publicar o site para só depois começar pensar no SEO, implica que teremos que fazer um monte de custosas alterações internas e externas, que dificilmente conseguirão atingir o nível de qualidade de um site que tenha sido construído desde o início com mentalidade SEO.

Pense em SEO antes de criar seu site

 

1. Domínio, ccTLD e hosting

Recomendo sempre comprar o domínio do seu site na versão .com e com o ccTLD do seu país de atuação (.com.br no Brasil).

Se sua atividade vai atingir vários países, compre também esses domínios com diferentes ccTLD: .es, .co.uk… Mesmo se não planeja utilizá-los no início, ou se pretende se posicionar através de subdomínios, compre os diferentes ccTLD e faça redirecionamentos, não permita que os concorrentes peguem eles!

Incluir as principais palavras-chave no nome do seu domínio tem sido um importante fator a favor do posicionamento web e, apesar de ultimamente ter perdido um pouco de força, ainda hoje funciona. Porém, não sou uma grande fa dessa técnica, pois faz com que o espírito da marca se perca e limita a criatividade. Recomendo utilizar esse método só em projetos muito voltados para a venda, com ciclos de vida curtos e que precisem de um retorno imediato.

Além disso, recomendo sempre que possível, contratar um hosting dedicado que esteja localizado no país de atuação principal.

 

2. Web design

Dimensões, cores, arquitetura web, distribuição dos elementos na página… Todos esses fatores têm uma forte influência sobre a experiência de usuário e devem ser, portanto, selecionados cuidadosamente.

Considerando um ponto de vista SEO, devemos escolher um web design que respeite a imagem da marca, reflita o espírito que queremos transmitir e atenda os objetivos estabelecidos: vendas, visitas, cadastros…

É importante adotar essa visão desde o início, para não terminar publicando um site com um layout lindo, mas onde o usuário tem dificuldade para navegar, não encontra facilmente a vitrine de produtos, não visualiza os botões de chamada à ação call-to-action, não consegue terminar de ler as publicações devido a uma escolha errada de cores, dimensões, tipografias…

Para aprofundar mais nesse assunto, recomendo pesquisar um pouco sobre Design UX, que é simplesmente, o web design tradicional acrescentado a favor da experiência do usuário, o SEO e o ROI.

 

3. Seções, menus e taxonomias

Na fase de design já falei sobre a arquitetura web, mas dessa vez gostaria de me focar na escolha de seções, menus e taxonomias. Quantos mais tópicos e conteúdo ofereça, mais delicado será esse ponto.

Desde um pensameto não-SEO, o dono da empresa “X” solicitará para uma agência ou programador “Y” desenvolver seu site com determinadas seções, e pronto. O problema é que nesse processo se esqueceram do mais importante: o usuário.

Uma pessoa com pensamento SEO, estudará esses termos escolhidos pela empresa e valorizará sua qualidade para regiões e públicos-alvo específicos, sua importância como keywords, os substituirá quando preciso, analisará a conveniência ou não de agrupá-los por seções, colocá-los no menu principal…

Aplicar o pensamento SEO depois de desenvolver o site, supõe custosas e confusas alterações em nomes de seções, menus e taxonomias, além de possíveis mudanças na arquitetura do site.

 

4. Tecnologias disponíveis

Que o Flash dificulta gravemente a indexação web todo o mundo já sabe. Porém, existem outras tecnologias e recursos que, quando não usados corretamente, também podem prejudicar o posicionamento web: JavaScript, Cookies, Ajax, Single Page Interface…

Será o objetivo do seu site quem determinará se essas tecnologias e recursos podem ser utilizados para mais ou menos funções.

Imagine, por exemplo, um site muito visual, que precisa transmitir criatividade, inovação e originalidade. Podemos utilizar então técnicas como a dessa felicitação de ano novo estilo Single Page Interface. Esse formato não é recomendado quando precisamos indexar diferentes páginas e seções, mas em um site como o do exemplo, essa foi a escolha certa. Ao não pode fazer SEO sobre os conteúdos, utilizaram a técnica de SEO off-page conhecida como Linkbuilding para atingir os objetivos de posicionamento desejados e fizeram sucesso!

Se os desenvolvedores desse projeto não tivessem pensado em SEO desde o início, ninguém teria visitado sua página e não teriam chegado tão longe.

SEO: Search Experience Optimization

Pense agora em um outro exemplo: um site multilingue que o Google deve indexar em todas suas versões. Nesse caso, ao invés de utilizar uma Cookie para personalizar a língua em cada página como era feito antigamente, otimizaremos a arquitetura do site e a estrutura de URLs, criando versões integramente traduzidas para cada língua e país, limitando drasticamente o uso de Cookies, por serem elementos aos que os mecanismos de pesquisa não têm acesso.

Se essas considerações não tivessem sido feitas no início, imagine o volume de trabalho que seria alterar o site após ter sido publicado, para redefinir toda a gestão de idiomas e países, estrutura de URLs, traduções de elementos internos…

 

Conclusão

Não há mais dúvida de que é necessário iniciar seu projeto web desde o pensamento SEO. Além de reduzir custos e poupar tempo em alterações, oferecerá uma experiência de usuário aos visitantes muito melhor, aumentando as taxas de conversão que produzirão um maior ROI para sua empresa.

Conhece outros motivos pelos que devemos pensar em SEO antes de iniciar o desenvolvimento de um site? Deixe seus comentários abaixo e compartilhe o post com seus contatos através de Facebook, Google+, Twitter e LinkedIn.

Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top

Esta web usa cookies para mejorar la experiencia de navegación. Si continuas navegando aceptas su uso. Más información

Las opciones de cookie en Rocío Miró están configuradas para "permitir cookies" para ofrecerte una mejor experiencia de navegación. Si sigues utilizando Rocío Miró sin cambiar tus opciones o haces clic en "Aceptar" estarás consintiendo las cookies de este sitio.

Cerrar