Um mundo sem Google é possível

Tem apenas duas semanas que vim trabalhar no Brasil e, assim que cheguei, os usuários do Google deste país encontraram uma página de erro 502 ao tentar abrir o YouTube, Gmail, Analytics… o Google caiu!

Em poucos minutos o assunto já era Trending Topic no Twitter e se reproduziam as piadas no Facebook sobre o fim do mundo pela suposta “caída de servidores” do Google. Por causa desse problema que durou quase uma hora e afetou a vários serviços do Google no Brasil, surgiu a dúvida em minha cabeça: o que seria da gente sem o Google?

Um mundo sem o Google seria assim mesmo?

O que eu venho tratar aqui não são as causas técnicas do problema que, até o momento, não foram esclarecidas oficialmente. O que chama a minha atenção é a situação de dependência que a maioria de nós temos manifestado em relação ao Google.

Um mundo sem Google, pode ser?

Não teríamos mais o Search, o Analytics, o AdSense, o Maps, o Gmail, o Docs, o Earth, o Blogger, o Calendar, o YouTube… É interessante conhecer algumas alternativas ao Google para descobrir alguns serviços muito bons. Será um bom aprendizado, porém não acredito realmente que o Google suma daqui a pouco tempo.

A notícia iria provocar uma pequena bagunça na vida pessoal dos usuários “padrão”: adeus ao email, aos vídeos online, à música, ao calendário, aos históricos, aos personagens/blogs famosos e às buscas que fazemos para tudo… Nesse caso, não seria uma pequena bagunça… Seria uma catástrofe!

Mas agora vamos mudar de perspectiva: a realidade é que sem o Google o mercado se diversificaria muito e seriam incontáveis as empresas beneficiadas por pegar o lugar do gigante. Seria uma ótima oportunidade para esses negócios e startups entrarem no mercado e, quem sabe, virarem os próximos “dominadores” do mundo online…

O usuário “padrão” iria sobreviver: “só” precisaria passar a utilizar esses serviços alternativos ao Google e, em relativamente pouco tempo, a catástrofe iria ser apenas uma anedota.

 

E se nosso modelo de negócio tem como base o Google?

Agora é quando explico o porquê de ter falado anteriormente de um usuário “padrão”. Pois existe outro tipo de usuário que, assim como eu, fundamenta uma parte ou a totalidade de sua atividade econômica no Google.

Neste caso, não iríamos só sofrer a pequena catástrofe pessoal que expliquei acima, mas todo nosso mundo iria tremer.

Os profissionais de Marketing Digital, o SEO, a análise métrica da web, os modelos de negócio baseados na prospeção de clientes através do Google orgânico ou AdWords, esses que fundamentam seus benefícios em publicidade AdSense, etc. iriam, sem dúvida, sofrer um grave choque. Muitos seriam obrigados a fechar, e todos (sem exceção) teriam que se reinventar.

Para se fazer uma ideia do que poderia acontecer, é só lembrar os terríveis efeitos que tiveram para muitas empresas as “simples” atualizações do mecanismo de pesquisa, chamadas de Google Panda e Penguin. E falei “simples”, pois se compararmos com o desaparecimento de todos os serviços do Google, então Panda e Penguin apenas seriam uma piada sem graça.

Após isso tudo eu pergunto de novo: seria o fim do mundo? E minha resposta é novamente NÃO.

Modelo de negócio baseado no Google

 

Como sobrevivermos ao Google?

Como usuários “padrão”, teremos que recorrer às alternativas aos serviços do Google, que são muitas e algumas delas muito boas.

Se falarmos em termos profissionais, pode ser que nossa empresa consiga clientes ou benefícios através do Google e o gerenciamento dessas atividades seja externo por meio de uma agência. Nesse caso, o processo de sobrevivência passaria por avaliar e escolher a agência que tenha se reinventado mais rápido e melhor. As perdas seriam inevitáveis, mas sendo os primeiros em voltar a entrar no mercado, teríamos até a chance de virar referência no setor.

A agência ou indivíduo que trabalha através do Google, não deverá só encontrar alternativas ao Analytics e ao AdSense, mas como já tinha adiantado, deverá se reinventar.

Acredito que a maioria dos que trabalhamos nesse setor sentimos uma grande paixão pelo que fazemos e somos vitimas da Google-mania. Deve ter quem pense que alguém com esse perfil não teria nada a fazer se o Google sumisse, mas eu discordo!

O perfil do profissional de Marketing Digital inclui caraterísticas como curiosidade, resolução e perseverança. Em uma situação do tipo que vimos, esses atributos viram fortalezas que nos ajudarão a nunca desistir e a encontrar novas e inovadoras vias para seguir avançando.

 

Conclusão

Se o Google sumisse de vez iria ser difícil, mas não seria o fim.

O gigante das buscas não sumiu ainda nem há sinais de que iria fazê-lo no curto-médio prazo, mas acredito que nunca é um mal momento para pensar nas opções profissionais de cada um, apreender a se valorizar e resolver no final que nem um problema tão “terrível” como a caída do Google poderia terminar com nosso trabalho, força e paixão.

E você, como imagina um mundo sem o Google? Faça seus comentários e compartilhe com seus contatos no Facebook, no Twitter, LinkedIn e Google+.

Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top

Esta web usa cookies para mejorar la experiencia de navegación. Si continuas navegando aceptas su uso. Más información

Las opciones de cookie en Rocío Miró están configuradas para "permitir cookies" para ofrecerte una mejor experiencia de navegación. Si sigues utilizando Rocío Miró sin cambiar tus opciones o haces clic en "Aceptar" estarás consintiendo las cookies de este sitio.

Cerrar